Dias 15 e 16: Puerto Madryn/ARG – Península Valdés/ARG (09 e 10/01/2013)

Nossa estada em Puerto Madryn está se findando, amanhã cedo partimos mais para o sul, porém foi um excelente aperitivo do que a Patagônia pode nos oferecer.

Puerto Madryn há muito tempo era um de meus objetivos a ser conquistado na Patagônia, em minha primeira vez por aqui, por falta de pesquisa e planejamento, eu deixei de lado esta bela cidade litorânea.

Aqui também é a cidade base para visitar a Península Valdés, declarada patrimônio da Humanidade pela UNESCO em 1999.

Madryn e a Península Valdés, são famosas pela sua farta fauna marinha e nos brindaram com a possibilidade ver os primeiros lobos marinhos e pinguins de magalhães,  nos rendendo boas imagens, pena que a temporada das baleias se encerrou, mas certamente terei que voltar aqui.

No dia 09/01/2012, décimo quinto dia na estrada, no final da manhã fui sozinho, pois o Shane tinha algumas pendências do trabalho,  visitar a Lobería Punta Lomo, distante cerca de 15 km do centro da cidade. O caminho seguindo ao sul pela orla do mar é fantástico, paisagens áridas de um lado e uma imensidão azul do outro, sem pavimentaçao o rípio (estrada de terra e cascalho)  exige atenção dobrada e foi uma prévia do que me esperaria no dia seguinte na Península.

Cheguei a entrada do centro de visitação da Lobería Punta Lomo após algumas paradas para fotos, paguei a entrada de AR$ 40,00 e por cerca de uma hora fiquei no ponto de observação dos lobos marinhos. Confesso que não sei descrever o que me chamou mais atenção, os lobos ou a paisagem. Deslumbrantes!

Regressei ao hotel e por aqui fiquei descansando, sendo que só saí novamente para jantar em um dos ótimos restaurantes da animada orla de Puerto Madryn.

No dia seguinte, 10/01/2013 e décimo sexto de viagem, acordamos cedo e fomos para a Península Valdés, a entrada e o centro de visitação distam cerca de 70 km de Madryn, ali se pode pegar um mapa da região e descobrir os caminhos a serem percorridos. Assim o fizemos e decidimos visitar a Pinguenera e Lobería na região de Caleta Valdés. Passamos antes pelo único povoado da Península – Puerto Piramides – para abastecermos, pois o caminho era longo.

O caminho após Puerto Piramides é todo de rípio e nos dedicou muita tensão no começo, foram mais de 150 m de rípio ida e volta, um bom teste para Ushuaia e Ruta 40.

Visitamos primeiro a Pinguinera, onde encontramos dois motociclistas, um brasileiro de Búzios que estava voltando de Ushuaia e outro Suíço que há dez meses vivia sobre sua BMW R 1200 GS .

Os pinguins de magalhães, em pequena quantidade, são uma atração a parte, chegam perto da grade que limita o acesso humano e por lá ficam estáticos como se fossem manequins esperando serem fotografados.

Mais adiante pelo caminho de rípio está uma lobería, havia poucos lobos marinhos, mas a beleza do lugar impressiona. Seguindo o caminho paramos em Punta Cantor, onde almoçamos e tiramos mais umas fotos, regressando pelo mesmo caminho em direção a Madryn.

Na volta trocamos de motos e chegamos de volta ao hotel após as 18 horas e agora nos preparamos para ir ao Sul, provavelmente seguiremos até alguma lugar entre Comodoro Rivadávia e Fitz Roy, tudo dependerá do clima, do vento e das oportunidades que nos aparecerem no caminho, a pinguinera em Punta Tombo é uma opção.

Quando mais ao sul vou mais excitado fico, de fato a Patagônia me fascina.

Apoio:

About mochilaecapacete

Mochila & Capacete é o blog pessoal do montanhista, motociclista e mochileiro Marcos Paulo L. Ferreira.
This entry was posted in Argentina, De Mochila e Capacete até onde o vento faz a curva, Patagônia, Relatos de viagem and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>