Dias 37 e 38: El Calafate – Bajo Caracoles – Gob. Costa /ARG (31/01 e 01/02/2013)

Após nossa estada em El Calafate a idéia era seguir pela Ruta 40 até Bajo Caracoles e por ali seguir até a Carretera Austral no Chile, por meio do Paso Roballos, subindo a Austral até Futalefu/CHI e ali voltar para a região dos lagos na Argentina.

Pois bem, essa era a idéia, somente a idéia.

No dia 31/01/2013, 37º de viagem, saímos cedo de El Calafate e logo começamos a subir ao norte pela Ruta 40, o dia estava muito bonito, mas o vento já era forte pela manhã. Fizemos a primeira parada no Parador La Leona, um lugar histórico por vários motivos, mas talvez o mais curioso seja o fato de por lá terem passado os famosos foras da lei Butch Cassidy & Sundance Kid.

Seguimos o nosso caminho até Tres Lagos, onde termina o asfalto e começa o rípio. O caminho sem pavimentação segue por mais de 170km, alternando para pequenos trechos com asfalto até Gobernador Gregores. Até aqui o caminho foi tranquilo, o rípio não estava tão solto e o vento apesar de forte era “domável”. Porém a partir de Gobernador Gregores o caminho tornou-se complicado.

O vento soprava forte demais, o mais forte que pegamos na viagem toda, tornava a condução difícil no asfalto. Quando adentramos novamente no rípio, que estava muito solto, com muitas pedras, o que por si só já dificulta a pilotagem, o vento patagônico começou a aprontar suas perípécias.  Conduzir no rípio exige atenção, a moto deve trafegar por meio das canaletas que os pneus dos automóveis deixam na estradas, evitando ao máximo tocar os morrinhos de pedra que tiram toda a estabilidade da moto, pois o vento nos “jogava”para fora da canaleta, por várias vezes quase fui ao chão, mesmo pilotando devagar era impossível manter um traçado retilíneo. Quando o vento começou a ficar mais forte ainda Shane teve uma leve queda com a moto, estávamos a menos de 30km/h e ele não se machucou ou teve avarias na moto, conseguiu erguê-la sozinha e chegar até mim que estava uns bons metros a frente e não vi nada disso acontecer. Nesse momento nossa confiança foi por água a baixo, ainda tínhamos um longo caminho de rípio a seguir e o vento estava cada vez mais forte.

Finalmente chegamos ao asfalto e paramos no acostamento por uns minutos, o segundo episódio do dia ali aconteceu, Shane desce de sua moto e o vento a derrubou. O vento era tão forte que não pude descer da minha para ajudá-lo, ou seria a minha que iria para o chão também. Uma sensação de impotência muito grande tomou conta de mim, vendo a moto do meu amigo tombada a menos de 2 metros de mim e eu não podendo fazer nada. Ele consegui levantá-la sozinho mais um vez e seguimos adiante.

Mais a frente um novo trecho de rípio e o terceiro episódio ocorreu, no finalzinho do rípio havia muitas pedras soltas, passei devagar e esperei Shane já no asfalto, ele parou no rípio e o vento mais uma vez tombou sua moto, quando fui olhar para trás o vento derrubou a minha, as duas motos estavam tombadas na estrada, eu queria voltar para ajudar meu amigo, mas estava com a minha moto caída também, não conseguia erguê-la, pois F800GS é mais pesada e eu carregava mais carga, vi Shane levantando a sua, quando um carro que vinha no sentido contrário parou para me ajudar e levantamos a minha moto, montei nela e seguimos pelas estrada enfrentando o forte vento, não podíamos parar um segundo sequer para perguntar um ao outro se estávamos bem, pois seríamos lançados ao chão pelo vento novamente.

Finalmente chegamos a Bajo Caracoles/ARG, ainda estávamos a mais de 200 km de distância de nosso destino no Chile, mas era impossível e suicídio seguir viagem com o vento a mais de 80km/h. Decidimos passar a noite por ali mesmo. A pequena vila, que esta as margens da RN 40, é um lugar surreal, parece uma vila fantasma, com não mais que 10 construções antigas que parecem estar abandonada, conta com um único posto de gasolina que abriga também o hotel, bar, restaurante e mercearia da cidade. Ali passamos a noite e menos assustados passamos a rir dos acontecimentos do dia, porém tomamos a decisão de não seguir pela Carretera Austral, com nossa confiança baixa optamos por fugir do rípio e fugir da zona de ventos o mais rápido possível, iríamos ao norte somente pela Ruta 40, seguindo até a região dos lagos.

De itinerário mudado abastecemos em Bajo Caracoles, ou quase isso, pois a bomba de combustível do posto não tinha mais de 10 litros, os quais compartilhamos entre nossas motos, e saímos no início da manhã do dia 01/02/2013, quando os ventos são mais amenos, seguimos ao norte pela 40, enfrentando mais dois curtos trechos de rípio, paramos no final da tarde em Gobernador Costa, quando o vento começou a ficar mais severo. No jantar decidimos que se o tempo estivesse bom no dia seguinte iríamos para San Martin de los Andes, na região dos lagos argentina.

Estes foram, sem sombra de dúvidas, os dois dias mais duros da viagem, nossa moral foi à zero e para manter a diversão decidimos mudar o itinerário, muitas vezes pensei em continuar o plano original, mas temos que saber reconhecer a hora de desistir e nos ater a nossas limitações, não sou um exímio motociclistas, mas reconheço os meus limites e sabia que o Shane estava em seu limite também, creio que tomamos a decisão certa, agora que estou em San Martin de los Andes (amanhã o post da estada aqui estará no ar) posso assegurar isso. A lição que fica é que um dia ruim na estrada é ainda melhor que um dia bom de trabalho!

Apoio:

About mochilaecapacete

Mochila & Capacete é o blog pessoal do montanhista, motociclista e mochileiro Marcos Paulo L. Ferreira.
This entry was posted in Argentina, De Mochila e Capacete até onde o vento faz a curva, Motos, Patagônia, Relatos de viagem and tagged , , , . Bookmark the permalink.

2 Responses to Dias 37 e 38: El Calafate – Bajo Caracoles – Gob. Costa /ARG (31/01 e 01/02/2013)

  1. Lucas says:

    Tenso o dia heim!!! Deve ser um vento sinistro, ainda mais para ter derrubado sua Panzer!!! Pilotar nestas estradas deve ser alucinante!!! Ainda quero um dia pilotar fora do Brasil!!! Boa aventura e cuidado!!!
    Grande abraço!!!

  2. mochilaecapacete says:

    Foi tenso, mas uma boa história para contar agora!
    Abração Lucas e obrigado pela visita

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>