Mochila & Capacete na mídia

Saiu hoje (22/05/2013) uma entrevista minha no site Mochila Brasil, na seção Mochilosfera. Nessa seção do site mochileiro é apresentado semanalmente um blog de viajantes independentes, já passaram por ali os excelentes blogs Clandestinos e Raffa no Caminho!, contando um pouco dos blogs e de seus autores.

Agradeço ao Mochila Brasil por dar o espaço ao Mochila  & Capacete e aos outros blogs para contarem um pouco de suas histórias.

Para conferir a entrevista clique aqui.

Posted in Uncategorized | Tagged , | Leave a comment

Pico Paraná – para sempre em minha mente

Passado mais de 2 meses desde que voltei da minha mais incrível jornada – De Mochila e Capacete até onde o vento faz a Curva – sentia muita falta de 3 coisas que fizeram, pelo menos em algum momento, parte desses dias inesquecíveis, mas 3 coisas que apesar de longe estavam sempre em minha mente. No último final de semana de abril (27 e 28/04/2013) finalmente voltei para 2 dessas 3 coisas que amo: desbravar as estradas com o Panzer e trilhar montanhas. A terceira ainda terá que esperar.

O destino da vez era um lugar especial para mim, que busco visitar pelo menos uma vez por ano: o Pico Paraná no complexo da  Serra do Ibitiraquire, próximo à Curitiba/PR.

Estava ansioso para essa viagem, voltar ao trekking e à vida em duas rodas, ainda que por apenas dois dias, era algo que eu necessitava, deveria fazer isso mais vezes e não ter ficado tanto tempo preso nessa selva de pedra sufocante que é São Paulo. Na sexta-feira (26/04/2013) montei a mochila do trekking, separei ferramentas para o Panzer, empacotei tudo e minhas memórias me levavam para o início do ano, quando fazia isso todos os dias. Fui dormir excitado com o que viria e com o que relembrei.

Sai de casa pouco depois das 4 da manhã do sábado, seguindo pela rodovia dos Imigrantes onde encontrei mais 4 amigos  que me acompanharam na trilha. Depois do encontro seguimos pela baixada santista até a BR-116 em direção a Serra do Ibitiraquire, distante 400km da capital paulista. O caminho em si para mim foi uma atração, cada curva, cada reta e cada quilômetro percorrido era uma emoção, uma memória ou um pensamento bom, a estrada é o meu divã e nesses 400km foi como uma sessão intensa de terapia.

Chegamos na Fazenda Pico Paraná, ponto de entrada para as trilhas do complexo, pouco depois das 10 horas da manhã, pagamos a taxa de admissão (R$ 10,00) que dá direito ao uso das instalações da fazenda (banheiro, chuveiro, estacionamento, área de camping, etc..) e após trocar o capacete pela mochila iniciamos o árdua caminho rumo ao topo.

A trilha, como já relatei em outras oportunidades, começa com a cansativa subida do morro do Getúlio, apelidado carinhosamente de morro da desistência, alcançamos o final da subida e paramos para apreciar a vista e comer algo. Seguimos e adentramos no vale entre os Picos Caratuva e Itapiroca, um trecho de grande dificuldade, onde caminhamos por entre pedras, raízes, árvores e lama. Apesar da dificuldade desse longe trecho sentir a brisa das montanhas me fez sentir vivo de novo, o nó da gravata ali não me sufocava, o ar puro me renovava a cada passo, a água fresca que corre nos riachos me revigorava.

Vencemos a parte do vale e encaramos uma escalaminhada já na encosta do Pico Paraná em direção a área de acampamento conhecida como A2, a qual atingimos já no final da tarde, após 6 horas e 30 minutos que deixamos a sede da fazenda. Montamos acampamento e após jantarmos fui apreciar o incrível e estrelado céu, passei horas ouvindo boas músicas, curtindo a paisagem e pensando na vida.

Dormi, feito criança, cansado pela exaustiva trilha e leve por estar fazendo o que gosto, há muito tempo não dormia tão bem acampando, não ouvi o despertador e o pessoal levantando para ver o sol nascer, acordei já com o sol alto e esquentando a barraca pouco depois das 8 da manhã de domingo. Se por um lado foi bom dormir bem no alto da montanha, por outro deixei de atacar o cume e de ver o sol nascer, um espetáculo que ali é fantástico.

Tomamos café e iniciamos a descida, pelo mesmo extenuante caminho, descemos os grampos do paredão do Pico Paraná e entramos novamente na mata fechada e agora na volta o a subida do morro do Getúlio virou uma rápida descida.

Cheguei às 15 horas na fazenda, montei minhas coisas no Panzer e voltei para casa, cansado pela pesada trilha e pela longa pilotagem do caminho de volta, mas feliz por ter feito o que gosto.

Quando estava na noite de sábado no alto da montanha ouvindo músicas e vendo as estrelas, uma em especial me marcou naquele momento, pois percebi que voltar à estrada depois de abandoná-la por mais de 2 meses foi como me reconciliar com um grande amor, talvez eu não a tratei bem como ela merecia, talvez eu não tenha me apegado a ela como deveria, talvez eu não tenho dito as coisas que deveria ter dito sobre ela e se deixei a estrada em segundo plano nesse tempo é porque eu estava cego, mas uma coisa é certa ela estava sempre em minha mente e eu queria voltar ao braços dela, por cada curva, por cada quilômetro, por cada trilha, por cada montanha!

Posted in Região Sul - BR, Relatos de viagem | Tagged , , , , | Leave a comment

Mochila & Capacete testou: Segunda Pele Hi-Tec

Na prática de atividades outdoor utilizar equipamentos adequados pode fazer uma grande diferença, propiciando um maior conforto àquele que se aventura. Dentre as peças que compõe o vestuário de adeptos destas atividades uma que considero primordial é a segunda pele. Essa peça é essencial em temperaturas baixas, mantendo a temperatura corporal, e também muito útil em temperaturas mais amenas, pois traz conforto ao seu usuário, auxiliando na dissipação e evaporação do suor, mantendo assim o corpo seco mesmo em atividade intensas.

O Mochila & Capacete testou nos últimos 3 dias a segunda pele da fabricante inglesa Hi-Tec, especificamente os modelos masculinos Herman (blusa) e Herkad (calça). Os testes foram feitos em três atividades diferentes: trekking, motociclismo e ciclismo.

As peças de segunda pele da Hi-Tec testadas possuem construção inteligente com costuras planas, praticamente imperceptíveis, que evitam atrito com a pele e trazem sensação de conforto durante o uso, o que nas três atividades em que foram utilizadas é essencial.

 

As peças ainda contam com a tecnologia COOLMAX, que é um moderno tecido de fibras de poliéster que propicia uma grande taxa de respirabilidade, mantendo o corpo sempre seco, o que evita alergias e “assaduras” indesejáveis.

 

Durante o trekking, realizado nos dias 27 e 28 de abril no Pico Paraná/PR, utilizei a calça e a blusa durante a fria noite no alto da montanha mais alta da região sul, o conforto das peças me impressionou, aquecendo o corpo de forma adequada e deixando-o livre para efetuar qualquer tipo de movimento.

Já na volta do Paraná para São Paulo, utilizei a blusa da segunda pele Hi-Tec para pilotar minha motocicleta no trajeto de 400km até minha casa. A peça aqueceu adequadamente o corpo e não restringiu meu movimentos, sendo que até dispensei o forro de inverno da jaqueta de motociclista.

Na segunda-feira (29/04) encarei um rápido pedal no Parque do Ibirapuera e aproveitei para, mais um vez, testar a segunda pele. O resultado foi o melhor possível, as costuras são imperceptíveis, não incomodando ao atrito com o corpo, da mesma forma, ainda que transpirando excessivamente, o tecido não encharca, o que dá um conforto maior ao usuário.

Mesmo utilizando o material 3 dias seguidos sem lavá-lo durante os intervalos de uso, a segunda pele não apresentou qualquer odor excessivo, graças ao tratamento antibactericida que o tecido recebe, o qual evita a proliferação de fungos e bactérias, não provocando alergia e impedindo odores provenientes da transpiração.

 

Também pude analisar em mãos a versão feminina da segunda pele Hi-Tec – modelos Lady Rachela(blusa) e Lady Rebeca(calça) – que igualmente são construídas atendendo aos mais altos padrões de qualidade.

 

O Mochila & Capacete recomenda aos seus leitores o uso das segundas peles Hi-Tec, pois sem dúvida é um material de primeira qualidade.

Para saber mais sobre a Hi-tech e as segundas peles analisadas acesse www.hi-tecbrasil.com.br/segundapele.

 

Posted in Mochila & Capacete testou | 2 Comments

Abertura da Temporada de Montanha

Os diversos clubes alpinos e associações de montanhismo espalhados no país preparam seus eventos de Abertura da Temporada de Montanha, os famosos ATM’s.

O Mochila & Capacete não poderia ficar de fora e fará a sua festa no Pico Paraná, a montanha mais alta da Região Sul do país.

Uma trilha com um grau acentuado de dificuldade e com ótimos visuais. É um lugar que me traz ótimas recordações, estive várias vezes com amigos no complexo da  Serra do Ibitiraquire, que conta ainda com os picos Caratuva, Itapiroca, Cerro Verde, entre outros.

Que venha a temporada de montanha, com muitos cumes e histórias!

Posted in Região Sul - BR | Tagged , , | Leave a comment

Viagem em Pauta – as percepções de um jornalista viajante

O Viagem em Pauta é o blog do jornalista e fotógrafo Eduardo Vessoni , cuja grande paixão é viajar.

O blog buscar narrar “como é a rotina de um jornalista que escolheu o mundo omo redação, as lentes da câmera como suas janelas e o destino final como meio”.

Com fotos incríveis, é possível acompanhar pelo blog as percepções de Vessoni em muitas de suas viagens, percepções estas que acabam por virar belas reportagens em importantes veículos da imprensa nacional.

Conhecer lugares inusitados pelas lentes de Vessoni é uma viagem a parte, sua visita à Detroit nos mostra um lado não usual aos turistas que visitam os Estados Unidos. Da mesma forma, a recente visita do Viagem em Pauta à Foz do Iguaçu dá uma diferente percepção desse local que o Mochila & Capacete conhece tão bem.

Não deixem de conferir o ótimo blog.

Foto de Eduardo Vessoni

Posted in Blogs e sites recomendados | Tagged , , | Leave a comment